Disponível em: English (Inglês) | Français (Francês) | Português | Español (Espanhol) |

 Introdução

Como uma tempestade poderosa, a COVID-19 deixou o mundo cambaleando após abalar os alicerces do “normal”. Nunca mais seremos os mesmos, à medida que aprendemos que as pandemias não respeitam as pessoas – quer sejam realeza ou humildes, ricas ou pobres, idosos ou crianças. Fomos equalizados – brancos, negros e mulatos, asiáticos, europeus e africanos. Vimos a vulnerabilidade das nações poderosas e fomos lembrados que somos todos iguais diante de nosso Deus Criador. Todos choramos as mesmas lágrimas, nossos corações estão partidos da mesma maneira, além disso nossas preocupações e medos são tão palpáveis quanto daqueles próximos e distantes.

Nunca mais seremos os mesmos, à medida que aprendemos que as pandemias não respeitam as pessoas – quer sejam realeza ou humildes, ricas ou pobres, idosos ou crianças.

Com as nações enfrentando mais de 90 milhões de infecções[1] pela COVID-19 e sua maior recessão econômica, o mundo inteiro continua a lutar com interrupções traumáticas – o aumento de número de mortes por COVID-19; imagens no Twitter de trabalhadores da área da saúde segurando as mãos de pacientes moribundos enquanto eles dão seu último suspiro longe de suas famílias e amigos; pais lutando para equilibrar o trabalho e a educação dos filhos em casa, enquanto sob estresse e com medo de perderem seus empregos; milhões sentem a solidão dos isolamentos instituídos e a ansiedade de que não há cura ou vacina em vista até o momento. “Quanto tempo mais?” nos perguntamos. A COVID-19 não é nossa única crise. A economia de muitos países está em plena queda-livre, não apenas por conta da pandemia, mas também devido à liderança corrupta e à conivência política egocêntrica, que deixa muitos se perguntando: “o que vem depois disso?”.

Impacto psicossocial da COVID-19

Incidentes traumáticos são repentinos e deixam um rastro de medo, morte e destruição.[2] A COVID-19 é uma pandemia global, que ameaça a vida e cria muita incerteza. O resultado é pânico, medo, isolamento, ansiedade, estigmatização, “coronofobia”, acumulação e raiva.[3] Seu impacto causa o aumento dos desafios de saúde mental e colapso social, especialmente entre os mentalmente e psicologicamente vulneráveis – pobres, desempregados, pessoas com problemas de saúde mental, deprimidos e qualquer pessoa que já convivia com violência doméstica e abuso.

Impacto da COVID-19 na saúde mental

29.6%

Estresse

31.9%

Ansiedade

33.7%

Depressão

(população de 117.044)

O isolamento instituído e a quarentena limitaram a socialização e restringiram as redes de apoio social, incluindo a vida na igreja. O desamparo, a desesperança e o isolamento amplificam os desafios de saúde mental e do trauma.[4] Enquanto alguns lutam contra a negação e se enfurecem, outros ficam estressados e ansiosos diante da perda maciça de empregos à medida que as megaempresas e indústrias entram em colapso. Uma meta-análise recente de até 36 estudos heterogêneos cobrindo uma população de 117.044 pessoas sobre o impacto da COVID-19 na saúde mental indica a prevalência de 29,6% de estresse, 31,9% de ansiedade e 33,7% de depressão.[5] A preocupação atual é que, enquanto as nações se concentram no controle da propagação do vírus e no tratamento médico para os infectados, as necessidades de saúde mental não estão sendo supridas com a urgência necessária.[6]

Também estamos enfrentando o impacto da saúde global, com enfermidades físicas[7] como tosse, febre, fadiga, dor de cabeça, diarreia, dor de garganta, perda de paladar ou olfato, bem como desconforto respiratório agudo. Além disso, os cientistas argumentam que a COVID-19 está em mutação, levantando a questão se as vacinas em ensaios clínicos afetarão o vírus autotransformador. Nunca antes tivemos tantos cientistas se concentrando em um único tópico de pesquisa à medida que laboratórios de ponta trabalham por uma descoberta, não apenas por uma vacina, mas também por uma cura.

 Desorientação em tempos de trauma

Em meu livro Christian Counseling (“Aconselhamento Cristão”, em tradução livre), discuto a realidade da desorientação em tempos de trauma – no qual, em um mundo que era ordenado e previsível, as coisas de repente se tornaram desordenadas e erráticas.[8] Em tais momentos, muitos estão fazendo perguntas como: “Por que isso aconteceu?”; “Por que eu?”.


Christian Counselling: An African Indigenous Perspective Paperback por Gladys Mwiti e Al Dueck

Logo após o genocídio de Ruanda em 1994, nossa equipe de psicólogos traumatologistas profissionais da Oasis Africa foi uma das primeiras a entrar no país. Durante os três anos de nosso programa de aconselhamento em trauma, muitas vezes nos deparamos com a pergunta “por que”, pois todos nós tentamos entender o genocídio no qual 800 mil pessoas foram mortas em 100 dias com facões e espingardas.[9] Em uma de nossas reuniões, uma jovem mulher perguntou: “Onde estava Deus quando toda minha família e meus aldeões morreram?”. Quando a sala ressoou com o silêncio que se seguiu, um homem idoso chamado Bizimungu, que significa “Deus me vê”, se levantou e disse: “Eu também lutei com essa pergunta durante muitos dias. Eu percebi que Deus estava sempre presente – em cada uma de nossas aldeias e situações, nos abraçando e chorando conosco”. As palavras de Bizimungu ecoaram o ponto de vista africano sobre a teodiceia – uma perspectiva teológica que tenta afirmar a justiça divina apesar do sofrimento no mundo, esse sofrimento que tantas vezes parece arbitrário e sem provocação.[10] O termo “teodiceia” foi cunhado pelo filósofo alemão Leibniz e se baseia em duas palavras gregas: theos ou ‘Deus’ e dique ou ‘justiça’.[11]

Em tempos de sofrimento e trauma durante esta pandemia da COVID-19, Deus está conosco enquanto choramos pelas pessoas que morreram e nos protegemos do vírus.

 Autocuidado e outros cuidados durante a crise

Lamento bíblico

Em tempos de perigo, já que sabemos que Deus está conosco, podemos praticar a disciplina do lamento. No livro de Salmos, Davi nos ensina o segredo da lamentação. Por exemplo, nos Salmos 41 e 42, aprendemos a derramar abertamente nossos corações a Deus que não julga nossos pensamentos e não espera uma oração bonita e cheia de enfeites de seus filhos confusos e magoados. Quando sabemos que Deus está conosco, quando vemos a tempestade em que nos encontramos e conhecemos nossa dor, podemos nos aproximar dEle com nossas lágrimas, medos e dúvidas. Lamentar na presença de Deus é o início do autocuidado espiritual em tempos de crise. Esta disciplina espiritual caminha de mãos dadas com a prática das disciplinas de oração, leitura da Bíblia e adoração.

A prática do autocuidado e outros cuidados

Outras práticas de autocuidado envolvem cuidados físicos – dormir bem, exercitar-se, beber bastante água, comer refeições equilibradas – e cuidados com a saúde mental. Cuidar da mente envolve nos adaptarmos à nova realidade, especialmente administrando o isolamento com ações de graças pelas pequenas alegrias que dão leveza às nossas vidas – o fato de estarmos vivos, o som do riso de uma criança, até mesmo o aroma de nossa comida favorita.

A prática do autocuidado e de outros cuidados envolvem a criação de uma ação comunitária, além da celebração de nossos relacionamentos com nossas famílias, vizinhos, parentes e outras pessoas de nossas comunidades. Estas práticas aumentam a resiliência, ou seja, nossa capacidade de voltar a ter uma vida saudável depois que a crise terminar.[12] Com as crianças, a rotina ajuda porque elas prosperam melhor em um ambiente ordenado – manter o horário escolar, planejar atividades criativas divertidas e recompensar a aderência às regras da casa, inclusive os cuidados preventivos contra COVID-19.

A perda de empregos e a perda de entes queridos resulta em choque e confusão. A interrupção dos rituais de luto e dos ritos fúnebres torna a perda ainda mais difícil de suportar. Agarrar-se à família e à comunidade de fé, celebrando a vida dos falecidos, faz parte do autocuidado e do cuidado com as pessoas afetadas.

O papel da igreja durante a COVID-19[13]

A igreja possui um papel de comunidade de cuidados, além de realizar cultos on-line e estudos bíblicos, a igreja deveria mobilizar seus membros a cuidar dos necessitados e transmitir uma mensagem de esperança para a nação.

O isolamento social instituído durante a pandemia impactou a igreja global de forma sem precedentes. Os cristãos – cujas vidas giram em torno de reuniões de culto, ministração, construção de comunidades de pequenos grupos, reuniões e encorajamento mútuo – foram interrompidos repentinamente. Sem reuniões, sem ministérios, sem encontros, sem casamentos, sem a santa ceia. A igreja não sabia e ainda não sabe como lidar com esta desorientação. O resultado tem sida uma resposta considerada “anêmica” que deixou muitos membros desorientados, privados de conforto espiritual e sem vivacidade.

A mensagem mais comum da igreja global frente à pandemia da COVID-19 foi: “Estamos fechados”. Avisaremos quando abrirmos novamente.”[14] A igreja possui um papel de comunidade de cuidados, além de realizar cultos on-line e estudos bíblicos, a igreja deveria mobilizar seus membros a cuidar dos necessitados e transmitir uma mensagem de esperança para a nação. Hoje em dia, com demasiada frequência, a única mensagem da mídia que ouvimos é sobre o número de infectados, mortos e trapalhadas políticas.

Conclusão

O que Deus exige de nós? Em meio à pandemia, Deus deseja que tomemos o tempo de entender os sinais dos tempos, que nos tornemos pessoas que levam consigo a esperança, que pratiquemos um autocuidado integral, que nos adaptemos ao novo normal de casa para a igreja e a comunidade, que criemos comunidades solidárias e aprendamos a falar palavras de dependência completa em nosso Deus onisciente.[15]

“Mesmo não florescendo a figueira, não havendo uvas nas videiras; mesmo falhando a safra de azeitonas, não havendo produção de alimento nas lavouras, nem ovelhas no curral nem bois nos estábulos, ainda assim eu exultarei no Senhor e me alegrarei no Deus da minha salvação. O Senhor Soberano é a minha força; ele faz os meus pés como os do cervo; ele me habilita a andar em lugares altos.” (Hab 3,17-19; NVI).

Endnotes

  1. em janeiro de 2021 – números atuais: https://www.worldometers.info/coronavirus/?utm_campaign=homeAdvegas1?
  2. A.C. McFarlane, P. Williamson, & C.A. Barton, ‘The Impact of Traumatic Stressors in Civilian Occupational Settings,’ Journal of Public Health Policy, 30, (2009): 311–27, https://doi.org/10.1057/jphp.2009.21.
  3. Souvik Dubey et al., ‘Psychosocial Impact of Covid-19,’ Diabetes Metab Syndr, 14, (2020): 779-88, https://doi.org/10.1016/j.dsx.2020.05.035.
  4. Julio Torales et al., ‘The Outbreak of COVID-19 Coronavirus and its Impact on Global Mental Health,’ The International Journal of Social Psychiatry. Pub Med. (2020): https://doi.org/10.1177/0020764020915212.
  5. Nader Salari et al., ‘ Prevalence of Stress, Anxiety, Depression Among the General Population During the COVID-19 Pandemic: a systematic review and meta-analysis,’ Global Health 16, 57 (2020): https://doi.org/10.1186/s12992-020-00589-w
  6. Nota da Editora: Veja o artigo intitulado “Oportunidades para o reino para a solução de disparidades da COVID-19”, de Stephen Ko, Paul Hudson, e Jennifer Jao na edição de novembro de 2020 da Análise Global de Lausanne. https://www.lausanne.org/pt-br/recursos-multimidia-pt-br/agl-pt-br/2020-11-pt-br/oportunidades-do-reino-para-a-solucao-de-disparidades-da-covid-19
  7. Chaolin Huang, C. et al., ‘Clinical Features of Patients Infected with 2019 Novel Coronavirus in Wuhan, China,’ The Lancet, (2020): https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(20)30183-5/fulltext.
  8. Gladys Mwiti and Al Dueck, Christian Counseling: An African Indigenous Perspective (Pasadena, CA: Fuller Seminary Press, 2006).
  9. The Editors of Encyclopaedia Britannica, ‘Rwanda Genocide of 1994,’ Britannica, https://www.britannica.com/event/Rwanda-genocide-of-1994.
  10. Barry Whitney, What are they Saying about God and Evil? (New York: Paulist Press, 1989).
  11. Richard Swinburne, Providence and the Problem of Evil (UK: Oxford University Press, 1998).
  12. Everett L. Worthington, Jr.et al., ‘Forgiveness as a Catalyst for Psychological, Physical, and Spiritual Resilience in Disasters and Crises,’ Journal of Psychology and Theology, 44, (2016): 152-65, https://doi.org/10.1177/009164711604400206.
  13. Nota da Editora: Veja o artigo intitulado: “Sedentos por boas novas em tempos de pandemia” de Carol Kingston-Smith na edição de setembro de 2020 da Análise Global de Lausanne, https://www.lausanne.org/pt-br/recursos-multimidia-pt-br/agl-pt-br/2020-11-pt-br/oportunidades-do-reino-para-a-solucao-de-disparidades-da-covid-19.
  14. Ben Johnson, ‘Rev. Robert Sirico: The Church’s Anemic Response to Covid-19 Hurts Everyone,’ Action Institute, (2020): https://blog.acton.org/archives/116548-rev-robert-sirico-the-churchs-anemic-response-to-covid-19-hurts-everyone.html.
  15. Nota da Editora: Veja o artigo intitulado: ‘Construindo um púlpito móvel para a saúde mental”, de Hebert Palomino na edição de novembro de 2020 da Análise Global de Lausanne, https://www.lausanne.org/pt-br/recursos-multimidia-pt-br/agl-pt-br/2020-11-pt-br/construindo-um-pulpito-movel-para-a-saude-mental.

Crédito das fotos

Foto de capa por Arto Marttinen on Unsplash

Foto por Ross Sneddon on Unsplash

Gladys K. Mwiti, Doutora, Psicóloga Clínica Sênior e Especialista em Traumatologia, é a fundadora e presidente do Oasis Africa Center for Transformational Psychology and Trauma, em Nairóbi no Quênia. Gladys é autora de cinco livros, diversos artigos publicados e capítulos de livros, ela é ex-presidente imediata da Associação Psicológica do Quênia (KPA).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*