Não Há Crianças Não Alcançadas

Observação do Editor: Este Documento Avançado Cape Town 2010 foi escrito pela Equipe das Crianças como um panorama do tópico a ser discutido na sessão Multiplex sobre “Novas Vozes para um Novo Mundo: Crianças”. Respostas a este documento através da Conversa Global Lausanne serão enviadas para os autores e outras pessoas, para ajudar a dar forma à apresentação final que eles farão no Congresso.

Crianças têm sido alcançadas por todos os lados por partidos políticos, diferentes crenças, secularismo, corporações e uma grande quantidade de outras causas.  Mas, acima de tudo, as crianças do mundo precisam conhececer Jesus. Elas precisam conhecer a verdade das Suas declarações para viver um relacionamento pessoal com Ele, e serem preparadas para segui-lO e servi-lO.

Imagine se, como corpo global de Cristo, declararmos que um dos nossos principais objetivos é apresentar Jesus para crianças e discipliná-las, encorajando-as a ter uma fé em Cristo duradoura, engajada com a comunidade.

Para considerarmos este passo, precisamos, primeiramente, examinar nossas convicções porque as crianças são importantes no contexto de Deus, da igreja e do mundo. Em segundo lugar, precisamos explorar as tendências emergentes dentro do corpo de Cristo em relação às crianças, e nos comprometer com os princípios e ações que surgem destes princípios. Hoje é  o tempo de consolidarmos nosso fundamento bíblico para priorizar as crianças e nos juntarmos a Deus no que Ele está fazendo no meio delas!

POR QUE CRIANÇAS?

NOSSAS CONVICÇÕES FUNDAMENTAIS

Deus é …

Deus é Deus em todas as gerações da história humana. O Deus de nossos pais nunca muda e Ele deseja ter um relacionamento transformador de vidas com nossos filhos. Sua firme intenção, que jamais mudou e consiste em que a chama da fé seja transmitida para as sucessivas gerações através da família e da igreja.

 “… o que ouvimos e aprendemos, o que nossos pais nos contaram. Não os esconderemos de nossos filhos; contaremos à próxima geração os louváveis feitos do Senhor, o seu poder e as maravilhas que fez. Ele decretou estatutos para Jacó, e em Israel estabeleceu a lei, e ordenou aos nossos antepassados que a ensinassem aos seus filhos, de modo que a geração seguinte a conhecesse, e também os filhos que ainda nasceriam, e eles, por sua vez, constassem aos seus próprios filhos. Então eles porão a confiança em Deus; não esquecerão os seus feitos e obedecerão aos seus mandamentos”. (Salmo 78:3–7) 

A Igreja é…

A Igreja é o principal instrumento da graça de Deus para salvar o mundo. Desde o nascimento do Movimento Lausanne, em 1974, muitas iniciativas da igreja surgiram com este propósito, tanto no nível local como global. Movimento como o AD2000, o movimento do Grupo de Povos não Alcançados, e o impulso para a Janela 10/40 têm transmitido a visão de alcançar e discipular as nações e aqueles que nunca ouviram sobre a salvação.

Outras iniciativas procuram preparar e capacitar famílias para criarem filhos tementes a Deus. Infelizmente, a dura realidade é que nem as famílias nem a igreja têm feito o que poderiam ou deveriam fazer para entregar a tocha de fé para a próxima geração. Nem sempre, a igreja tem apoiado ou dado o devido valor ao lugar e ao papel da criança.

A igreja não supre as necessidades das famílias nem das crianças. A inadequação de nossos esforços deixa as crianças e também nossa sociedade nua e exposta. A força e a influência das famílias, principalmente das famílias cristãs, diminuíram. Muitas não dão mais estabilidade, orientação, segurança e esperança. Hoje, o mundo que existe para as crianças e jovens demonstra claramente que nossos esforços não têm sido suficientes para cumprir esta tarefa.

A igreja está numa posição vulnerável. Hoje, a igreja está em declínio em todos os lugares onde foi estabelecida há muito tempo. Mesmo nas igrejas relativamente novas, vibrantes e em crescimento, vemos rachaduras e sinais de deterioração. Até o crescimento destas igrejas pode estar lento. Cada vez mais, a igreja é vista como irrelevante, alheia às questões atuais. Existe uma constante luta para mantermos a comunidade cumprindo a Grande Comissão de Jesus num mundo nunca antes tão mutante.

No entanto, a única coisa que poderia causar mudanças radicais e duradouras na sociedade e vitalidade para nossas igrejas já está em nossas mãos: são os filhos das famílias cristãs; as crianças da comunidade na qual a igreja foi plantada; as crianças de dentro e fora da igreja. Nosso egoísmo e estilo de vida indulgente estão nos fazendo deixar escapar por entre os dedos estes preciosos parceiros de missão.

Para discussão:

  • De quem é a responsabilidade de transmitir a fé para a próxima geração?
  • Será que tem sido dado muito ou pouco enfoque à unidade familiar, em contrapartida com a comunidade de fé?

O Mundo é …

O mundo está sendo agitado. Toda geração alega com veemência que, de todas, é a que tem mais dificuldades e necessidades. Mas, nossa geração, com sua mentalidade pós-moderna, globalização, terrorismo, internet e aceleradas mudanças tecnológicas, cria uma complexidade e oportunidade sem paralelos no raiar do Terceiro Milênio.

A informação inunda nossos sentidos do bem e do mal, muito além do que nossos antecessores poderiam imaginar. As crianças e os jovens de hoje não sabem o que é a vida sem as realidades virtuais. O mundo deles é feito de sites de relacionamentos, blogs, mensagens de texto e vídeos pela internet. Eles nunca tiraram uma foto que não pudesse ser instantaneamente visualizada. A tecnologia é a enfermeira e o mentor deles. Nossos filhos têm tudo para viver, mas nada porque viver. Suas mentes e vidas estão cheias de uma sobrecarga inimaginável de informação, mas não têm a Verdade inegável; nada como base da sua existência para dar significado ou propósito; nada que sugira uma razão para viver de maneira mais persuasiva do que a gratificação instantânea ou uma busca de escapes.

O mundo não é amigável com as crianças. Elas sofrem o impacto das ameaças e dos perigos dos nossos tempos: desastres humanos e naturais, consumismo desenfreado, poluição ambiental, violência, abusos e negligência. Independentemente, se pobres ou ricas, as paredes de segurança e os fundamentos das vidas de nossas crianças estão caídas ou em queda.

As crianças são…
Crianças não constituem um grupo de pessoas distantes e obscuras. Pode ser que a Igreja de hoje não esteja enxergando as crianças, mas não vão precisar procurar muito para encontrá-las. Elas estão…

  • Em todos os países, em todas as classes sócio-econômicas e entre povos de todas as culturas;
  • Em todas as comunidades: nas famílias, nas escolas, nos mercados, nos parques, nas ruas;
  • Em áreas pouco acessíveis ao Evangelho;
  • Em subculturas marginalizadas: crianças com necessidades especiais, nas prisões, nas ruas e em lugares onde não deveriam estar;
  • Em situações de alto risco, cujas condições diminuem a probabilidade de elas ouvirem o Evangelho: em trabalho escravo, sequestradas para tráfico humano;
  • Em circunstâncias resistentes: crianças que foram feridas ou negligenciadas por representantes da fé cristã(1).

As crianças são preciosas aos olhos de Deus. Alguns líderes cristãos acham que a Bíblia não fala muito sobre crianças. Entretanto, quando começamos a ler os textos das Escrituras envolvendo crianças, percebemos que elas estão presentes e são proeminentes nas Escrituras. Na verdade, há mais de mil e quinhentas referências a crianças e infância (incluindo órfãos, parentesco e treinamento) na Bíblia. Com muita freqüência, crianças e jovens são encontrados em papéis importantes, até mesmo cruciais, no desenrolar dos planos de Deus.

Para Deus, as crianças são:

  • Um sinal: elas são bênção de Deus (Salmo 127:3) e fazem falta quando não estão incluídas na comunidade da aliança;
  • Carentes de ensino: elas devem ser valorizadas e ensinadas em casa e na comunidade (Deuteronômio 6, 11);
  • Um símbolo: elas ilustram o relacionamento que Deus quer ter com os adultos (Oséias 11:1, Mateus 18:2-3);
  • Merecedoras de Proteção: Deus está ao lado dos vulneráveis (Salmo 68:5; Tiago 1:27). Quando as crianças são negligenciadas, abusadas ou vitimizadas, Deus se entristece. Jesus advoga com firmeza em favor delas (Mateus 18:5-6, 10);
  • Adoradoras: as crianças foram feitas para o louvor de Deus (Salmo 8:2). Louvor não é algo que elas aprenderão quando forem mais velhas. Este é o papel delas agora. As crianças louvam a Jesus mesmo quando os adultos O rejeitam (Mateus 21:15);
  • Coparticipantes da missão de Deus: Jesus disse para deixarmos as crianças irem até Ele porque o Reino dos céus pertence aos que são semelhantes a elas (Mateus 19:14). Portanto, devemos incluir as crianças como agentes e participantes da grande comissão e na preparação dos santos para o trabalho de servir (Efésios 4:12);
  • Exemplos: elas são exemplos da dependência simples que o Reino de Deus requer dos adultos (Mateus 18:4);
  • Amadas incondicionalmente: Jesus tem uma bênção para as crianças levadas a Ele: não há exigências, desafios, nem uma estória que tenha de ouvir antes! (Mateus 19:13-15);
  • Um foco no ministério de Deus: Jesus cura as crianças (Lucas 7, 8); dá as boas-vindas a elas (Marcos 10); usa as crianças como exemplo de humildade (Lucas 18:17); adverte sobre o julgamento dos que as prejudicam (Mateus 18:5-6, 10) e as valoriza (Mateus 18:12-14) ;(2)

Para discussão:

  • Quais perspectivas bíblicas sobre criança você ou sua família, ou sua igreja ou agência adotaram?
  • Como outras perspectivas das Escrituras podem influenciar suas ações relacionadas às crianças?
  • Quais posições ministeriais são priorizadas na sua igreja, denominação ou agência, e que implicação trazem para o trabalho com crianças?
  • As Escrituras têm um mandamento para priorizar as crianças ou simplesmente endossam isso?

As crianças são um grupo sofredor. Quase um terço da população mundial, aproximadamente dois bilhões de pessoas, têm menos de 15 anos (3). A maioria da população infantil do mundo, 88% abaixo de 18 anos, vive nos países menos desenvolvidos (4). Especialistas estimam que um bilhão de crianças nascerá no decênio de 2003-2013, e que mais de 90% delas nascerão de mães e pais que ganham menos de US $1 por dia (5). Extrapolando as estatísticas populacionais, aproximadamente um bilhão de crianças vive em partes do mundo onde jamais ouviram falar de Jesus. As crianças estão entre os mais marginalizados, explorados e sofredores do mundo. Em Mateus 18:6, Jesus deu uma sugestão para aqueles que fazem pecar qualquer um dos pequeninos que crêem nEle.

Para discussão:

  • Será que, alguma vez, nós, em nossas atividades cristãs envolvendo crianças, consideramos ações sociais e evangelísticas incompatíveis?
  • Como poderíamos, de maneira prática, agir em nosso contexto, para ajudar a consertar essa falha?

As crianças são abertas para as Boas Novas. Hoje, muitos líderes cristãos podem dizer que foram despertadas na fé quando ainda eram crianças. Estudos do grupo de pesquisa George Barna mostram que nos Estados Unidos, a probabilidade de alguém aceitar a Jesus é de 32% entre crianças de 5 a 12 anos, mas apenas de 6% acima dos 19 anos. Parece que aos 13 anos a identidade espiritual já está estabelecida( 6). Esta é a premissa básica de uma idéia chamada “Janela 4/14” (7). Estudos não oficiais em vários contextos sugerem que a receptividade das crianças para as Boas Novas está presente em culturas e sociedades em todo o mundo, independentemente da religião ou cultura.(8) Qualquer estratégia missionária deverá incluir esforços cuidadosos e apropriados para alcançar crianças e jovens.

Para discussão:

  • Existe evidência suficientemente convicente para apoiar a afirmação de que a maioria dos cristãos do mundo de hoje aceitou a Jesus ainda criança?
  • Quais são as implicações para nosso evangelismo e estratégias missionárias se esta afirmação for verdadeira?

As crianças são moldadores do seu mundo. Elas são os maiores agentes potenciais para mudanças e transformações no mundo de hoje.  As crianças são influências para outras crianças e para adultos envolvidos em suas vidas.  Muitos grupos estão procurando usá-las para cumprir suas agendas. Por exemplo, a maioria dos anúncios comerciais para famílias usa a criança como alvo, porque é conhecido que as crianças têm o poder de influenciar as decisões da família. Devemos protegê-las contra influências danosas e manipulativas e guiá-las para a Verdade encontrada em Cristo.

Muitas pessoas que aceitaram a Cristo quando crianças atestam que foi um amigo ou colega que teve forte influência na sua decisão de fé. Isso significa que as crianças são um importante campo missionário e também uma força missionária muito importante. A Bíblia está repleta de exemplos de crianças e jovens que foram usados por Deus para fazer e para revelar coisas importantes. Miriam, Samuel, Davi, Josué e Timóteo são alguns exemplos.

As crianças estão sempre prontas para qualquer desafio. Realmente, elas são bem sucedidas em lidar com o que parece impossível. Devemos respeitar suas habilidades, apreciar seus talentos e encorajar seus dons. Elas são sensíveis à voz de Deus, têm desejo de servir aos propósitos de Deus, e não são limitadas por ideias preconcebidas do que é possível ou prático. Deus pode, e usa, as crianças e os jovens, suas orações, opiniões, mãos e pés, para mudar os corações da humanidade. Elas representam a ‘energia limpa’ para transformar o mundo. (9)

QUAL É O PRÓXIMO PASSO?

PRINCÍPIOS IMPORTANTES PARA AÇÕES BASEADAS EM TENDÊNCIAS EMERGENTES

Tendo as convicções acima em mente e com o forte desejo de preparar o corpo de Cristo para a tarefa de discipular crianças, oferecemos os seguintes princípios para ações baseadas nas tendências emergentes que foram identificadas. Percebemos um movimento global de Deus chamando o corpo de Cristo para discipular crianças de maneira mais eficaz.

1. Discipulado para uma fé profunda e duradoura.

Existe uma percepção cada vez maior de que, enquanto o futuro da igreja começa com o evangelismo de crianças, ele é concretizado, promovendo hoje o discipulado e o treinamento de crianças como parceiros ministeriais, e desenvolvendo-as como líderes seguidores de Cristo do amanhã.  A chave neste processo é o desenvolvimento do relacionamento entre crianças novas na fé e cristãos que já caminharam bastante neste caminho.

Para discussão:

  • O que realmente significa “alcançar” 2 bilhões de crianças no mundo e ajudá-las a serem o que Deus pretende para elas?
  • Qual é o seu papel, da sua família, igreja ou agência nesta tarefa?
  • Como podemos preparar crianças para uma fé duradoura através de nosso evangelismo e discipulado?
  • Como podemos preparar mais pessoa para a tarefa de discupular 2 bilhões de crianças no mundo?
  • Quais os exemplos no seu contexto que servem como encorajamento para discipular crianças para terem uma fé duradoura?
  • Quais os exemplos no seu contexto que são motivos de preocupação nesta área?
  • Quais são as implicações de priorizar o discipulado de crianças na maneira como conduzimos a igreja?

2. Parcerias dentro da agenda do Reino.

Existe uma percepção crescente de que parcerias são vitais para o cumprimento da Grande Comissão, inclusive a tarefa de discipular os 2 bilhões de crianças no mundo, uma vez que não existe uma igreja isolada, denominação nem agência que tenha a resposta ou a capacitação para fazer isso. Famílias, igrejas, denominações, agências de recursos, missões e agências de assistência estão adquirindo a visão global de parceiras-para-Reino para ajudar, evangelizar e discipular crianças. Nossas parcerias devem voltar aos valores do Reino de liderança servil, humildade, oração, integridade, generosidade e equilíbrio global.

Para discussão:

  • Que exemplos encorajadores você tem para compartilhar, relacionados a parcerias feitas para o trabalho com crianças?
  • Que exemplos, no seu contexto, são motivos de preocupação nesse sentido?
  • Com quem você precisa se conectar ou fazer parceria para discipular crianças de maneira mais eficaz e duradoura?
  • Como podemos efetivamente preparar e fazer parceria com famílias na tarefa de discipular crianças?
  •  Como a cultura de línguas universais pode ser aproveitada para evangelismo e discipulado de as crianças e para estar em parceria com o corpo de Cristo?

3. Reflexão sobre crianças dentro eles já estabeleceram: equipar toda a igreja para levar todo o Evangelho para o mundo todo. O objetivo é produzir líderes mais preparados para cuidar, evangelizar e discipular crianças, e também produzir líderes que entendam a importância do ministério holístico da Igreja com crianças, e que possam influenciar outros em todos os sentidos e contextos a favor das crianças.  da perspectiva bíblica em igrejas, seminários e escolas bíblicas.

Existe o entendimento de que preparar trabalhadores cristãos para cuidar de crianças e jovens é um desafio e uma oportunidade importante para Igrejas, seminários e escolas bíblicas. Muitos seminários abordam esta questão, não como uma nova moda ou variação de outro treinamento, mas como a melhor maneira de atingir o que

Para discussão:

  • Até que ponto nossas igrejas, seminários e escolas bíblicas incluem as crianças no seu ensino?
  • Quais são os obstáculos para levar as crianças a sério? (Isto é escatológico? Isto denota um certo entendimento sobre discipulado?
  • Esta é uma “desconexão” de teologia e prática?)
  • Como podemos trabalhar juntos, de maneira prática, para abordar alguns desses obstáculos?
  • Quais são algumas das questões teológicas mais importantes sobre crianças?

4. Reconhecimento e encorajamento do potencial da criança.

O potencial da criança é claramente entendido por grupos políticos, empresas, ambientalistas e pessoas de outras crenças, e existe uma crescente preocupação de que este entendimento seja reclamado pelo corpo de Cristo, porque elas são a nossa herança. Se as crianças podem ser encorajadas a desenvolver os dons e habilidades dados por Deus nos relacionamentos com crentes mais maduros, a fé delas será fundamentada no dia-a-dia, e nossos esforços de discipulado serão mais duradouros. Em outro nível, as crianças estão sendo compreendidas dentro de círculos missionários como parceiras importantes na missão. Em outro nível ainda, muitos dos desafios atuais do mundo são tão ousados que levarão várias gerações para serem resolvidos, e a verdadeira esperança de mudança está em nossos filhos e nos filhos deles.

Para discussão:

  • Que exemplos positivos dentro do seu contexto sobre como encorajar o potencial da criança você tem para compartilhar?
  • Quais são as suas preocupações com relação isto?
  • Como podemos promover estratégias missionárias que avaliem corretamente a importância e a contribuição da criança?
  • Como podemos encorajar a criança a identificar, usar e desenvolver os dons e habilidades dados por Deus para promover uma fé duradoura?
  • Como podemos preparar e usar as crianças para influenciar e impactar missões?
  • Como podemos, em nosso evangelismo e discipulado, preparar crianças para uma futura liderança madura dentro do corpo de Cristo?
  • Como podemos, em nosso evangelismo e discipulado, preparar as crianças para terem um papel na transformação da comunidade?

5. Compartilhar e contextualizar recursos.

Diante da grandeza da tarefa de discipular 2 bilhões de crianças e da evidente falta de recursos da igreja em diversos aspectos para esta tarefa, existe um crescente espírito de generosidade e de repartir recursos (solidariedade) para cuidar, evangelizar e discipular crianças. Além disso, cada vez mais tem sido reconhecido que recursos tendem a ser desenvolvidos em certas partes do mundo e distribuídos em outras, e que, caminhando juntos podemos facilitar o desenvolvimento e compartilhamento de material apropriado e contextualizado de diversas partes do mundo.

Para discussão:

  • Quais os recursos você efetivamente tem para evangelizar, discipular e cuidar de crianças?
  •  Você já considerou dar dízimo da sua propriedade intelectual para que outros, dentro do corpo de Cristo, possam ter acesso a recursos de alta qualidade?
  • Como as pesquisas podem ser conduzidas e compartilhadas para ajudar a dar impulso, foco e parceria em relação às necessidades das crianças?
  • Qual a importância da natureza ou origem do contexto e da cultura nos recursos/materiais usados e desenvolvidos para evangelismo, discipulado e cuidado de crianças?
  • Você tem acesso a recursos em seu idioma?
  • Você tem acesso a recursos apropriados à sua cultura e ao seu contexto?
  • Qual pode ser o seu papel (ou de que ajuda você precisa) para criação, desenvolvimento, compartilhamento, tradução ou facilitação de tais recursos?
  • Como podemos aproveitar tecnologia para distribuição de recursos, evangelismo, discipulado e cuidado de crianças de maneiras inovadoras?

6. Adaptação ao contexto tecnológico da criança.

Embora existam acentuados contrastes entre situações rurais e urbanas, existe uma crescente conscientização de que o contexto tecnológico da criança é um fórum importante para alcançá-las. Embora os adultos possam migrar para este contexto, bem cedo, as crianças, estão se tornando cidadãos dele. Como resultado da globalização e da internet, crianças de todo o mundo estão se tornando mais parecidas. A tecnologia aumenta o impacto da globalização, do individualismo e do secularismo nas crianças, mas também abre incríveis oportunidades para missões e para fundamentar a fé de crianças no dia-a-dia.

Para discussão:

  • Como podemos disciplinar as crianças mais eficazmente para se desenvolverem como cristãos no seu contexto?
  • Você já considerou encorajar crianças como parceiros missionários para ajudar na adaptação ao contexto tecnológico?
  • Que exemplos encorajadores você tem para compartilhar com relação à sua situação no contexto tecnológico?
  • Quais são as suas preocupações com relação a esta questão?

CONCLUSÃO

Em Cristo, Deus estava reconciliando consigo o mundo (2 Coríntios 5:19). “Porque é pela graça de Deus que vocês são salvos por meio da fé. Isto não vem de vocês, mas é presente dado por Deus. A salvação não é o resultado dos esforços de vocês mesmos, e por isso ninguém deve orgulhar-se. Porque foi Deus quem nos fez e, em união com Jesus Cristo, nos criou para fazermos o bem, o bem que ele já havia preparado para nós”(10). Quando tentamos discernir a vontade de Cristo para a evangelização do século 21, parece-nos que hoje é o tempo para nos unirmos às grande coisas que Deus está fazendo através do corpo de Cristo em relação às crianças. Não há crianças “não alcançadas”. A questão é “Quem as está alcançando?”. Elas estão sendo alcançadas por todos os lados por partidos políticos, diferentes crenças, secularismo, corporações e inúmeras outras iniciativas. Acima de tudo, as crianças do mundo precisam conhecer e seguir a Jesus. Ele é a esperança, a verdade, a paz e o futuro delas. O corpo de Cristo precisa de crianças com fé profunda e douradoura como parceiras em missões e líderes para a igreja e para o mundo de amanhã.

Deus, em Cristo, oramos que o Senhor reconcilie as crianças do mundo contigo.

© The Lausanne Movement 2010

  1. 1.     Wendy Strachan and Simon Hood, eds. “Evangelization of Children”, Lausanne Occasional Paper # 47, 2004, p.12.
  2. 2.     Adaptado de Wendy Strachan and Simon Hood, Op. Cit., pp. 11-12.
  3. 3.     International Program Centre, US Bureau of Census 2004, http://www.census.gov/cgi-bin/ipc/popclockw
  4. 4.     UNICEF Demographics of Children(Dados Demográficos Infantis), www.unicef.org
  5. 5.     David Young’s address to the US Senate, (Discurso do Jovem David ao Senado dos Estados Unidos) citado no Oxford Analytica, October 2003
  6. 6.     Barna, G, Transforming Children into Spiritual Champions: Why Children Should Be Your Church’s #1 Priority, (Tradução livre: Transformando Crianças em Campeões Espirituais: Por que as Crianças Devem Ser a Prioridade no.1 da Igreja)Regal Books from Gospel Light, USA 2003
  7. 7.     Dan Brewster, “The 4/14 Window: Child Ministries and Mission Strategies,” (Tradução livre: A Janela 4/14: Ministérios com Criança e Estratégias Missionárias) em Children in Crisis: A New Commitment. (Tradução live:Crianças em Crise: Um Novo Compromisso)Phyllis Kilbourn, Ed.  Monrovia. MARC. 1996.
  8. 8.     Brewster, D, Child, Church and Mission: A Resource Book for Christian Child Development Workers (Criança, Igreja e Missões: Um Livro de Estudo para Profissionais Cristãos do Desenvolvimento da Criança), Compassion International, 2005, pp.141-142
  9. 9.     Bambang Budijanto, “Children, The ‘New’ Energy for 21st Century Mission. (Tradução livre:Crianças, a ‘Nova’ Energia para o Século 21)Edinburgh 2010 – Study Theme 5.” 2009.  (Unpublished Mss – Não Publicado.)  10.
  10. Efésios 2: 8-10 A Bíblia na Linguagem de Hoje – SBB – Terceira Edição 1975 – Direitos Reservados

 

Print Friendly, PDF & Email
Um comentário sobre “Não Há Crianças Não Alcançadas
  1. Clarice Cassoli disse:

    Muito interessante. O que estamos fazendo ou o que irei fazer?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Date: 01 jun 2010

Grouping: Cape Town 2010 Advance Paper

Encontros 2010 Cape Town

Topics: